Dia Nacional da Saúde: Saiba como a umidade residencial pode ser prejudicial e como evitá-la

A Sika, empresa de produtos químicos, explica que o mal pode originar mofo e bolor, principais agravantes de quadros alérgicos

A umidade é uma das grandes vilãs quando se trata da qualidade das edificações. Afetando a estrutura, as paredes, rodapés e pisos, ela pode causar a perda da pintura, queda de rebocos, em casos avançados pode causar queda de estruturas como lajes e marquises. No entanto, os seus malefícios não se limitam a isso, diariamente podemos conviver com os problemas gerados pela umidade já que ela é também a principal causadora das infestações por mofo e bolor, agentes responsáveis por inúmeras doenças.

Registros e estudos médicos apontam, inclusive, casos em que o mofo e bolor aparecem como causas direta e indireta de óbito, como apontou um estudo realizado pelo Hospital das Clinicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Eles também afetam gravemente quadros alérgicos como rinite, asma e bronquite, podendo causar tosse seca, dores de cabeça, pneumonia e transmitir bactérias que levam a infecções.

E engana-se quem acha que só o sistema respiratório é afetado; a pele também pode ser prejudicada. Os esporos que pairam no ar, por exemplo, facilitam o desencadeamento de dermatite atópica. Outro dano que pode ser causado pelo emboloramento nas superfícies são os problemas oculares.

Segundo Anderson Oliveira, Coordenador de Desenvolvimento de Mercado da Sika, o mais recomendado para evitar a umidade é idealizar a impermeabilização em obras e reformas ainda quando estão sendo projetados. Desta forma prevenimos conta a entrada da umidade na habitação. Entretanto, “caso o ambiente apresente mofo ou bolor, a solução ideal é o tratamento do local imediatamente. Existem diversas técnicas utilizadas, incluindo uma que trabalha diretamente sobre a alvenaria, impedindo a passagem da água, garantindo maior salubridade ao ambiente, proporcionando mais conforto e segurança ao lar”, explica.

Anderson sugere a escolha dos produtos seja feita com critérios para proteger a construção da penetração da umidade. “É fundamental que todas as etapas para a construção e manutenção de uma construção sejam cuidadosamente vistas e revistas. Isso assegura que infiltrações ou a umidade indesejada não apareçam”, comenta.

Os riscos são ainda maiores para pessoas vulneráveis como idosos, bebês, crianças, gestantes e pessoas com algum tipo de imunodeficiência. “Todo cuidado é pouco. Por isso, investir na impermeabilização é a escolha ideal para evitar posteriormente sofrer com a umidade. As técnicas de impermeabilização protegem a edificação de infiltrações e de todo acúmulo de água que possa afetar superfícies e elementos internos da construção”, finaliza.