Visibilidade Trans: endócrinos alertam sobre tratamento hormonal

29 de janeiro é o Dia da Visibilidade Trans

“Qualquer tratamento hormonal deve ser realizado e acompanhado por um endocrinologista. Essa é a especialidade médica responsável por fazer a hormonização em pessoas transexuais. E essa hormonização deve seguir um tratamento específico e individualizado, além de ser monitorada porque cada indivíduo tem uma resposta específica. Quando a pessoa trans faz uso de substâncias para hormonização por conta própria ela corre sérios riscos com sua saúde”, explica a Dra. Elaine Frade Costa, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP).

O indivíduo transexual, ou com incongruência de gênero, é aquele cuja identidade ou a expressão do gênero não se alinha com o sexo biológico atribuído ao nascimento. A mulherer transexual (ou seja, indivíduo biologicamente masculino, mas que se identifica com sexo feminino) faz a terapia hormonal com estradiol – principal hormônio produzido pelo ovário da mulher e responsável pelo desenvolvimento de diversas características femininas – e com medicamentos específicos que bloqueiam a produção da testosterona endógena masculina.

Para os homens transexuais (indivíduo biologicamente feminino, mas que se identifica com o sexo masculino), o tratamento pode ser feito com aplicação da testosterona, que pode ser injetável ou tópica (gel).

“O Dia da Visibilidade Trans é importante para repensarmos a inclusão dessas pessoas na sociedade, mas também para alertá-las sobre as consequências deletérias para saúde no que tange o processo de adequação ao gênero de identidade sem o devido respaldo médico. É nossa função como endocrinologistas orientá-los e acolhê-los”, finaliza Dra. Elaine.