Andar na ponta dos pés pode indicar problema ortopédico

Médica orienta pais e cuidadores sobre o que fazer se a criança não encosta o calcanhar no chão ao caminhar

Uma das principais ansiedades de pais e mães, em especial os de primeira viagem, é ver a criança dar os primeiros passos. Durante o desenvolvimento da marcha, é possível que a criança caminhe sem encostar o calcanhar no chão. No entanto, isso tende a se normalizar entre os dois e três anos e, quando não acontece a correção, é necessária a avaliação do médico ortopedista.

São muitos os motivos que podem fazer com que a criança caminhe na ponta dos pés e, segundo a Dra. Natasha Vogel, ortopedista pediátrica do HSPM-SP, o mais comum é a marcha em equino idiopática, ou seja, sem que haja um motivo determinado e o diagnóstico é por exclusão.

“Devemos descartar outras causas do caminhar na ponta dos pés, como paralisia cerebral, autismo, distrofias musculares, deformidades congênitas, alterações na coluna, hiperatividade e síndromes genéticas”, diz a médica.

O médico vai avaliar desde antecedentes gestacionais até antecedentes familiares para tentar descobrir o que causa a pisada na ponta dos pés. Os papais e mamães ajudam muito quando se lembram de informações importantes como: a idade que a criança começou a sentar, engatinhar ou andar; se percebem que andam na pontas dos pés com os dois pés ou um só, enquanto elas andam se chegam a encostar o calcanhar no chão e por quanto tempo conseguem andar dessa forma; se tem dor no pé ou perna, entre outras”, enumera Dra. Natasha.

O exame físico ortopédico também vai avaliar a presença de calos ou deformidades, comprimento das pernas, amplitude de movimento, avaliar os membros inferiores e coluna, além de exame físico neurológico.

O tratamento depende do diagnóstico. Nos casos idiopáticos, Dra. Natasha conta que são indicados acompanhamento ortopédico, fisioterapia, uso de órteses, gesso e até toxina botulínica.

“Quando a criança anda na pontas dos pés após os 5 anos de idade, é comum que eles tenham dificuldade de encostar o calcanhar no chão passivamente, além de queixas para usar calçados, praticar esportes e atividades recreativas. Nesse caso, eles podem ser elegíveis para tratamento cirúrgico e são vários os procedimentos que podem ser feitos para alongar o tendão calcâneo”, finaliza a médica, demonstrando o quanto o diagnóstico precoce é importante para o bem-estar infantil.