Anemia acomete 30% da população mundial

Provocada pela deficiência severa de ferro, doença prejudica os níveis de energia e vitalidade

O ferro desempenha um papel importante nos processos metabólicos do corpo humano. É um mineral vital para o funcionamento celular e essencial para o transporte de oxigênio, para a síntese de DNA e para o funcionamento do metabolismo energético.

A falta da substância em níveis adequados pode levar a consequências negativas para todo o organismo humano, sendo a anemia ferropriva a manifestação mais relevante. Considerada um dos maiores problemas de saúde pública mundial, este tipo de anemia acomete, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) 30% da população mundial.

Além de prejudicar o funcionamento adequado do corpo, um quadro de anemia severa pode apontar a existência de uma doença grave, com sangramento oculto. Esta suspeita poderá ser confirmada ou afastada após uma investigação adequada pela equipe médica.

De modo geral, a deficiência de ferro em adultos está diretamente ligada à redução de produtividade, uma vez que pode causar fraqueza e fadiga. O quadro também provoca falta de apetite, palidez, cefaleia e irritabilidade, além de aumentar o risco de infecções. “Metade dos quadros de anemia identificados estão diretamente relacionados à deficiência nutricional. Pode acometer pessoas de todas as idades, em qualquer país, mas, particularmente, mulheres e crianças residentes em regiões em desenvolvimento”, alerta Dra. Karina Kiso, clínica geral. De acordo com a especialista, além da alimentação carente do mineral, a anemia também pode ser consequência de hemorragias, da contração de doenças endêmicas (como malária, ascaridíase e helmintoses) e de dietas em que há consumo de grandes quantidades de chás ou café, que inibem a absorção de ferro.

No caso de crianças, a anemia pode prejudicar as funções imunológicas do organismo, atrasar o crescimento e provocar perda significativa na capacidade cognitiva, comprometendo o desenvolvimento da inteligência. Além disso, em gestantes, quadros de anemia também estão relacionados a um maior risco de mortalidade, partos prematuros e baixo peso do bebê ao nascer. O diagnóstico é feito com base em avaliações clínicas e exames laboratoriais. De acordo com a médica Karina Kiso, o tratamento da anemia inclui a administração de sais de ferro, preferencialmente por via oral, acompanhado de uma fonte de vitamina C – essencial para que o organismo possa absorver o minério.

A prevenção do problema é simples e envolve a adoção de hábitos de vida mais saudáveis. “Manter uma alimentação equilibrada é o caminho mais fácil, a médio prazo, para a manutenção dos níveis de ferro no sangue. Carne vermelha, vegetais verde-escuros (brócolis, espinafre e couve), leguminosas (grão-de-bico, lentilha, ervilha e feijão), tofu, algas, cerais integrais e castanha de caju são alguns dos alimentos ricos em ferro. Suplementos vitamínicos também ajudam a oferecer ao corpo os níveis adequados de vitaminas e minerais”, recomenda Karina.